Planeje a sua melhor safra de soja

Com o apoio da iniciativa Projeto UAI, produtores podem planejar a safra de forma estratégica e implementar mudanças no manejo para atingir altas produtividades na temporada 2019/20


Quer atingir seu recorde de produtividade da soja na safra 2019/20? Saiba que com planejamento e tecnologia é possível destravar o potencial produtivo da sua lavoura e garantir um forte salto nos rendimentos da oleaginosa. Com esse objetivo, a iniciativa Projeto UAI avalia as condições da fazenda, leva soluções inovadoras para o produtor e o auxilia em melhorias de manejo efetivas para elevar a produtividade de forma sustentável. O Projeto UAI é um serviço exclusivo da Rede AgroServices, desenvolvido pela Bayer em parceria com a DK Ciência Agronômica, oferecido por meio do resgate por pontos, confira a oferta aqui.

 

Planeje com antecedência

O principal conselho para colher mais soja é planejar a safra com antecedência. Resgatando o serviço Projeto UAI no mês de abril, o produtor terá tempo suficiente para implementar com sucesso as técnicas de manejo recomendadas. O projeto é desenvolvido atualmente pelos pesquisadores e sócios da DK Ciência Agronômica Luiz Jordão, João Dantas, Henry Sako e Carlos Melo. De acordo com o Dr. Luiz Jordão, pesquisador da DK Ciência Agronômica e DataFarm, o trabalho tem início com a coleta de amostras de solo de até 1 metro de profundidade, com instrumento semiautomático desenvolvido pelo DataFarm UAI e metodologia própria.

Após a análise de solo em laboratório, os pesquisadores analisam o laudo técnico e entram em ação, agendando as visitas à fazenda para fornecer as melhores recomendações agronômicas para produzir mais grãos. “O fator mais limitante para a produção agrícola é a oferta de água, por isso um bom manejo de solo é fundamental. Quando falamos em construção de perfil de solo, basicamente significa que estamos aumentando a capacidade que o solo tem de armazenar de água e quando temos uma seca, a planta de soja não sofre tanto”, afirma o pesquisador Luiz Jordão.

As ações visam melhorias químicas, físicas e biológicas no solo com total foco no aumento de produtividade da soja. Os pesquisadores podem sugerir a inclusão de plantas de cobertura como a braquiária no sistema produtivo, a aplicação de corretivos, medidas para reduzir a compactação de solo e controlar nematoides. “O nematoide é o nosso novo foco de pesquisa e atenção porque ele está resistindo muito na propriedade do agricultor e temos que fazer um manejo muito sério para esse problema”, diz Jordão.

 

Plantio de qualidade

O trabalho não se limita ao manejo de solo. Planejando a safra com o Projeto UAI, o produtor receberá orientação sobre diferentes materiais genéticos para escolher a melhor variedade para a sua fazenda. “O tratamento de sementes junto com manejo de solo bem feito desencadeia uma série de benefícios e a planta pode produzir mais”, afirma Jordão. Além disso, o produtor que participa do Projeto UAI terá suporte para melhorar a plantabilidade e escalonar o plantio adequadamente. “Muitas vezes o produtor planta muito rápido e isso prejudica a qualidade [da operação]. Observamos grandes problemas de plantabilidade. Mas com a vontade e o esforço do produtor conseguimos construir altas produtividades”, afirma Jordão.

Entre os inúmeros benefícios do Projeto UAI, os pesquisadores usam instrumentos que auxiliam nos diagnósticos agronômicos, como uma câmera térmica para medir a temperatura do solo e um medidor portátil de potássio chamado Fast K, desenvolvido pela Embrapa Soja. Além disso, os dados da fazenda são monitorados na moderna plataforma digital DataFarm, para garantir a melhor tomada de decisões de manejo.

 

Sanidade vegetal

O Projeto UAI também orienta sobre o melhor manejo de plantas daninhas e pragas. Um forte diferencial da iniciativa é o atendimento personalizado e contínuo, durante toda a safra, levando em consideração a produção total na fazenda. “A preocupação hoje é com o sistema de produção. Quem pensa somente na soja vai ter falhas no processo. Se o produtor não controlar bem o percevejo na soja, ele vai migrar para o milho, por exemplo”, explica o pesquisador Luiz Jordão. “Pensamos em sistemas integrados de manejo para poder ter um alto rendimento. Procuramos fazer com que a soja tenha uma alta taxa fotossintética para produzir mais grãos.”

 

Altas produtividades

A iniciativa Projeto UAI teve início há quatro safras e atualmente atende produtores em 14 estados brasileiros, envolvendo mais de 300 lavouras. Trata-se de um serviço para agricultores que não medem esforços em busca de maior rendimento. “O Projeto UAI é para produtores que estão buscando aumentar a produtividade da soja de maneira sustentável, olhando para o sistema de produção. É um serviço mais técnico para quem quer as melhores práticas agronômicas para melhorar a fertilidade do solo e fazer o melhor manejo possível de pragas, plantas daninhas e doenças”, afirma Milena Pereira, Gerente de Estratégia de Serviços da Bayer.

De acordo com a gerente, alguns clientes que resgataram o serviço já foram inclusive destaque no Desafio Nacional de Máxima Produtividade de Soja, promovido pelo Comitê Estratégico Soja Brasil (Cesb). “Já tivemos seis clientes do Projeto UAI que foram ganhadores do Cesb. Ou seja, eles conseguiram não só superar seus próprios patamares produtivos, mas também se tornaram uma referência no Brasil em produtividade de soja”, conta Milena. Além disso, segundo ela, o serviço beneficia também outras culturas, como a segunda safra de milho e algodão, e consolida um precioso processo de aprendizado. “O maior valor agregado para o agricultor é a discussão com os consultores, poder tirar dúvidas, e, principalmente, descobrir como aumentar a produtividade. Quando ele avança em conhecimento, descobre que a terra consegue superar seus patamares produtivos”, afirma Milena.

Os resultados comprovados pelo programa surpreendem. Na avaliação do histórico de colheitas registradas pelos participantes do Projeto UAI, a produtividade avançou de uma média de 53 sacas por hectare para 82 sacas por hectare. “É um aumento de produtividade muito expressivo. O serviço faz com que o produtor consiga identificar os fatores críticos que estão limitando a produtividade dele, trabalhar num manejo diferenciado e com isso conseguir dar saltos de produtividade”, diz Milena.

O serviço é resgatado para atender uma área de até 120 hectares da fazenda. O projeto acaba criando um modelo de boas práticas agrícolas que pode ser expandido pelo produtor para outras áreas da fazenda. Além disso, quem resgata o serviço fará parte de um seleto grupo de produtores inovadores, poderá visitar outras propriedades inscritas no projeto e participar de eventos promovidos pela Bayer. “Os consultores vão apoiar o produtor pensando numa visão de longo prazo”, diz Milena. 

Compartilhe!

COPYRIGHT © REDE AGRO S.A - Última atualização: 12/07/2019 (1.0.2987)